Oncologia

Câncer de pulmão na era da medicina personalizada

Câncer de pulmão na era da medicina personalizada

O cenário atual da apresentação e abordagem a pacientes com suspeita e diagnóstico de câncer de pulmão, com foco em novas estratégias, vem transformando o prognóstico dessa enfermidade. O câncer de pulmão é uma neoplasia de elevada morbimortalidade, sendo, segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), a mais frequente em todo o mundo e tendo correspondido a 11,6% do total de neoplasias estimadas em 2018 – 2,1 milhões de casos novos.1 Além da elevada incidência, o câncer de pulmão é a principal causa de morte por câncer no mundo: em 2012, foram 1,8 milhão de óbitos, 18,4% do total de mortes por câncer.1

Leia mais

Desafio do acesso e emprego de exames genômicos por tecnologia de sequenciamento de próxima geração na prática oncológica brasileira

Desafio do acesso e emprego de exames genômicos

Os avanços no entendimento das alterações genéticas tumorais ocorreram de maneira muito rápida e profusa, bem como as tecnologias para identificá-las, que se estenderam muito além dos exames tradicionais de imuno-histoquímica (IHQ), hibridização in situ fluorescente (FISH) e reação de polimerase em cadeia em tempo real para amplificação e identificação de variações e mutações gênicas (PCR-RT), empregados pela comunidade oncológica brasileira.

Leia mais

Qual a Causa dos Tumores Cerebrais?

Qual a Causa dos Tumores Cerebrais?

Por Dra. Sâmia Yasin Wayhs – Os tumores primários do sistema nervoso central (SNC) correspondem a 2% das malignidades. Os gliomas malignos constituem o tipo de tumor intra-axial primário mais comum, correspondendo de 40 a 60%1 ou até 70%.2 Têm incidência de 5:100.000 casos por ano e estima-se que aproximadamente 25.000 novos casos de câncer maligno no cérebro sejam diagnosticados nos EUA a cada ano, responsáveis por cerca de 15.000 mortes.3 No Brasil, em 2014, foram 4.960 casos novos de câncer do SNC em homens e 4.130 em mulheres, com risco estimado de 5,07 casos novos a cada 100 mil homens e 4,05 a cada 100 mil mulheres.

Leia mais