Artigos

Cirurgia Minimamente Invasiva em Crianças

Cirurgia Minimamente Invasiva em Crianças
A cirurgia minimamente invasiva (CMI) é um desafio em crianças devido à necessidade de
se trabalhar em um pequeno espaço. Nas CMI abdominais e torácicas, as pinças e a câmera
entram por portais para se trabalhar em um pequeno espaço. Além disso, há a questão da
fisiologia da criança, que tem uma homeostase delicada e que pode ser alterada com a
insuflação de CO2.

Leia mais

Como diagnosticar uma possível intoxicação por metanol ou etilenoglicol?

Como diagnosticar uma possível intoxicação por metanol ou etilenoglicol?

Antes do novo coronavírus (COVID-19) roubar todas as atenções das mídias nacional e internacional, os casos de intoxicação por etilenoglicol secundários à contaminação da cerveja Belorizontina certamente foram um dos temas de maior repercussão dentro da área médica no noticiário brasileiro. Recentemente, a Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais informou que chega a seis o número de mortos por suspeita de intoxicação por monoetilenoglicol ou dietilenoglicol após o consumo da cerveja da Backer. O número de casos suspeitos permanece 30. Dos seis óbitos, apenas um teve o diagnóstico de intoxicação por dietilenoglicol confirmado.


Leia mais

Ovários policísticos ou síndrome dos ovários policísticos?

Ovários policísticos ou síndrome dos ovários policísticos?

Ainda existe controvérsia quando se fala em ovários policísticos.  No ultrassom dos ovários, pode-se verificar a presença de alguns folículos residuais que, por vezes, são chamados erroneamente de cistos e, daí, a confusão. Múltiplos folículos ou “pequenos cistos” nos ovários são encontrados em ¼ das mulheres ovulatórias normais e, portanto, não têm significado clínico. Entretanto, o diagnóstico de cisto folicular pressupõe, de maneira incorreta, a necessidade de cirurgia, o que era realizado em um passado não muito distante. A maioria dos cistos foliculares regride espontaneamente, ou esse processo pode ser acelerado com o uso de drogas bloqueadoras ovarianas, como anticoncepcional oral.

Leia mais

Oncologia de Precisão: os novos alvos terapêuticos para o tratamento de tumores sólidos

Oncologia de Precisão: os novos alvos terapêuticos para o tratamento de tumores sólidos

A Oncologia de Precisão se tornou um novo paradigma na fisiopatologia molecular, no diagnóstico, no prognóstico e, principalmente, no tratamento do câncer. Já a partir do final da década de 1990, os primeiros agentes antiblásticos alvo-direcionados ou alvo-moleculares foram aprovados para uso comercial, como o trastuzumabe (anticorpo monoclonal direcionado a tumores com hiperexpressão da proteína HER2 codificada pelo gene ERBB2) e o rituximabe (anticorpo monoclonal direcionado a linfomas com expressão da proteína de superfície celular CD20). A partir daí, houve um desenvolvimento muito rápido e robusto da identificação de novos alvos moleculares e suas terapias específicas, especialmente com o crescente uso de anticorpos monoclonais específicos e inibidores de tirosinoquinase para alvos variados. Estima-se hoje que até 49% dos tumores sólidos possuam, pelo menos, um alvo potencialmente terapêutico.

Leia mais