Notícias

CFM orienta médicos sobre medidas de prevenção e uso de EPI

CFM orienta médicos sobre medidas de prevenção e uso de EPI

O Conselho Federal de Medicina (CFM) divulgou nota em que esclarece que estará atento à organização das medidas de prevenção e controle de infecção nos serviços de saúde, bem como à disponibilização de Equipamentos de Proteção Individual (EPI) aos médicos e demais profissionais e que não admitirá que gestores (públicos e privados) ignorem essas exigências, definidas, inclusive, pelas autoridades sanitárias.

Leia mais

Anvisa libera pesquisa com hidroxicloroquina para COVID-19

Anvisa libera pesquisa com hidroxicloroquina para COVID-19

A Anvisa liberou a pesquisa com a hidroxicloroquina para o tratamento da Covid-19. A licença permite ao Hospital Israelita Albert Einstein e colaboradores avançarem nas pesquisas clínicas em busca da cura dessa doença, com segurança e rapidez. A Agência irá acompanhar os desfechos dos estudos, bem como o cumprimento das Boas Práticas Clínicas. 


Leia mais

SBI analisa o uso de hidroxicloroquina para COVID-19

SBI analisa o uso de hidroxicloroquina para COVID-19

Após a publicação recente de estudo francês no International Journal of Antimicrobial Agents, a SBI divulga os seguintes esclarecimentos:


1. A cloroquina é usada para malária e a hidroxicloroquina para artrite reumatoide e lúpus eritematoso, ambas registradas e aprovadas pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA) para essas indicações.


Leia mais

Cardiopatas têm mais chance de desenvolver a forma grave do COVID 19

Cardiopatas têm mais chance de desenvolver a forma grave do COVID 19

Pacientes com doenças cardiovasculares e idosos estão entre os mais propensos a desenvolver a forma mais grave da doença provocada pelo coronavírus (COVID-19). A constatação, do American College of Cardiology (ACC) é ratificada pela Sociedade de Cardiologia do Estado de São Paulo - SOCESP. Segundo dados da instituição, em fevereiro de 2020, 40% dos hospitalizados com resultado positivo para o coronavírus apresentavam patologia cardiovascular ou cerebrovascular prévia. “Além disso, 6,7% dos pacientes desenvolveram arritmia e 7,2% apresentaram lesão miocárdica. Relatos também apontam que, além de insuficiência respiratória, o desenvolvimento de insuficiência cardíaca contribuiu para a primeira morte registrada, associada ao COVID-19”, diz o diretor científico da SOCESP, o cardiologista Luciano Drager. No Brasil, o primeiro caso comprovado, também no final de fevereiro, é de um homem de 61 anos, hipertenso e cardiopata.

Leia mais