Gestão em Saúde

COVID-19 e imunidade de rebanho

COVID-19 e imunidade de rebanho

Denomina-se imunidade de rebanho quando a proporção de pessoas imunes a determinada doença infecciosa se torna grande o suficiente para fazer com que sua disseminação diminua na comunidade. Quanto maior for o número de pessoas imunes ou imunizadas, menor será a probabilidade de uma pessoa suscetível se infectar. Nesse caso, embora a doença continue na comunidade, sua propagação será cada vez mais lenta porque a cadeia de infecção foi, de certa maneira, quebrada.

 

Leia mais

Pandemia por COVID-19 e o uso de novas tecnologias na prática médica

Pandemia por COVID-19 e o uso de novas tecnologias na prática médica

Pode-se afirmar que a pandemia pelo Sars-CoV-2 é evento sem precedentes na história humana. Um vírus respiratório, com alta capacidade de disseminação, passou a fazer parte de nossa sociedade globalizada e trouxe consequências de amplas proporções, com efeito direto não apenas na saúde pública mas também nas esferas sociais e econômicas.

Leia mais

Recomendações sobre a teleconsulta

Recomendações sobre a teleconsulta

O Dr, Francisco Bandeira, chefe da Divisão de Diabetes e Endocrinologia do Hospital Agamenon Magalhães (PE), Professor Associado e Livre-docente da Disciplina de Endocrinologia da Faculdade de Ciências Médicas da Universidade de Pernambuco e Presidente do Capítulo Brasileiro e membro do Comitê Associativo da American Association of Clinical Endocrinologists (AACE), analisa as recomendações das sociedades americanas e brasileira para a telemedicina, no sentido de orientar os pacientes para os critérios e condições adequadas para o melhor cuidado.

Leia mais

A telemedicina e os impactos na relação médico-paciente

A telemedicina e os impactos na relação médico-paciente

A Resolução do Conselho Federal de Medicina, conhecida como a “Resolução da Telemedicina”, publicada no Diário Oficial da União no início deste ano e, logo depois, sustentada pela Portaria 467/2020 do Ministério da Saúde, surgiu com a finalidade de regulamentar e operacionalizar medidas de enfrentamento emergencial visando a saúde pública. A Associação Médica Brasileira, na carta publicada em abril deste ano, “acredita que a incorporação de novas tecnologias à medicina é um caminho sem volta e que esse avanço pode ser muito positivo, desde que disciplinado por diretrizes responsáveis com foco no fortalecimento da relação médico-paciente”.


Leia mais